Especial: Elfen Lied

Lançado em 2004 no japão, Elfen Lied é um anime que impressiona pela qualidade visual e pela trama que prende a atenção graças à dualidade de sua protagonista. Repleta de cenas fortes, violência e nudez, a obra não é indicada para qualquer público, porém, superada essa condição, essa é sem dúvida uma das melhores séries animadas produzidas no Japão nos últimos tempos.








Baseado num manga, em 12 volumes, de grande sucesso no Japão que a editora Panini terminou de publicar este mês, Elfen Lied é um anime surpreendente, em todos os sentidos, a começar pela belíssima abertura com imagens que homenageiam a obra do pintor simbolista Gustav Klimt e uma canção em latim, Lilium, interpretada pela cantora lírica Kumiko Noma. Lançada em 2004 na TV Tókyo, a série de TV possui um roteiro ligeiramente diferente do apresentado no manga, sobretudo em seus momentos finais.

A história gira em torno do relacionamento de Lucy, uma espécie de mutante denominada diclonius, Kouta, um jovem corajoso que sofreu um grande trauma na infância, e Yuka, prima de Kouta e apaixonada por ele. 

Quando Lucy foge de uma instalação de segurança máxima, onde era mantida prisioneira, sofre um ferimento que lhe tira a memória e faz com que se comporte como uma criança. Kouta e Yuka encontram Lucy na praia e resolvem cuidar dela. Eles batizam sua nova amiga de Nyu, pois essa é a única palavra que ela é capaz de pronunciar. 

Mesmo estranhando a aparência de Lucy, com dois pequenos chifres na cabeça que lembram orelhas de elfo, cabelos e olhos vermelhos, Kouta nem desconfia do perigo que está correndo. A fragilidade e doçura de Nyu escondem sua verdadeira personalidade, a de uma assassina violenta e cheia de ódio pela humanidade, resultado de anos de tortura e maus-tratos sofridos em laboratório.

Os diclonius têm um sexto sentido apurado e braços invisíveis, que simulam telecinese, extremamente poderosos. Uma parte dos humanos quer estudar e explorar as habilidades dos diclonius, mas a maioria prefere simplesmente eliminá-los à primeira vista temendo seu grande poder. Em meio a este cenário é construída uma trama complexa, recheada de questões polêmicas, nudez e cenas de violência explícita. 

De fato, Elfen Lied é uma obra que não deverá agradar a todos os públicos, principalmente àqueles mais sensíveis. A cena inicial do primeiro episódio mostra um verdadeiro massacre promovido por Lucy em sua fuga, dando uma idéia do que está por vir ao longo da série. Mas quem entender a proposta do anime, verá que as cenas chocantes servem apenas para aumentar a dramaticidade e torná-lo ainda mais instigante. 


A dualidade entre Lucy e Nyu nos faz pensar em como a protagonista poderia ser uma boa pessoa se não fosse tão perseguida e judiada, nos faz torcer pra que ela elimine a maldade no coração dos homens e encontre a paz e, quem sabe até, o amor ao lado de Kouta. E esta questão de quem é o verdadeiro monstro é o que torna Elfen Lied tão especial.

Ao longo de seus 13 episódios, a série mantém uma qualidade técnica impressionante. Tanto o visual quanto o som são excelentes. Os personagens são carismáticos e suas histórias vão se interligando aos poucos, o que aumenta o suspense em torno do destino final de cada um. 

Aliás, o final de Elfen Lied é motivo de muita discussão entre os fãs, pois fica em aberto, permitindo várias interpretações diferentes. A série teve ainda um episódio extra lançado em OVA (Original Video Animation, ou seja, um material produzido diretamente em vídeo), que se situa entre os episódios 10 e 11, mas que não é essencial para a compreensão da série. O título "Elfen Lied" significa Canção Élfica em alemão. Curiosamente os títulos dos episódios também são em alemão.

Se está procurando uma série em anime adulta, com um número reduzido, porém preciso, de episódios e alta qualidade em roteiro e animação, Elfen Lied é a escolha perfeita.

Marcelo Delmanto, 04/05/11